Dolo Eventual

David Afonso
[Porto]
Pedro Santos Cardoso
[Aveiro/Viseu]
José Raposo
[Lisboa]
Graça Bandola Cardoso
[Aveiro]


Se a realização de uma tempestade for por nós representada como consequência possí­vel dos nossos textos,
conformar-nos-emos com aquela realização.


odoloeventual@gmail.com


Para uma leitura facilitada, consulte o blogue Grandes Dramas Judiciários

Visite o nosso blogue metafísico: Sísifo e o trabalho sem esperança

O Dolo Eventual convida todos os seus leitores ao envio de fotografias de rotundas de todos os pontos do país, com referência, se possível, à sua localização (freguesia, concelho, distrito), autoria da foto e quaisquer dados adicionais para rotundas@gmail.com


Para uma leitura facilitada, consulte o blogue As Mais Belas Rotundas de Portugal


Powered by Blogger


Acompanhe diariamente o Dolo Eventual

segunda-feira, março 20, 2006

Complementaridades

Comments on "Complementaridades"

 

Anonymous Anónimo said ... (março 20, 2006 4:12 da manhã) : 

Já repararam que o Porto fica perto de Madrid do que Lisboa?

 

Anonymous Anónimo said ... (março 21, 2006 9:44 da manhã) : 

Já reparei já... Porto Madrid são 554km e Porto Lisboa são 314km... É realmente verdade! E no mapa então nota-se mesmo a diferença.

Alguém de Setúbal que nasceu nos Acores e que não percebe o porquê da disputa Norte Sul.

 

Anonymous Cristina Santos said ... (março 21, 2006 11:54 da manhã) : 

Caro David já tinha visto

Não me oponho, considero só que é mais uma ideia balão.
Primeiro trata-se de uma união de facto, uma união comercial que será feita sempre que haja interesse em mercados comuns.

A união a Galiza não traz nada ao Norte de Portugal se Portugal não investir no seu proprio turismo e agricultura.

O Porto turistico é pequeno, precisamos expandir a atracção , para nos tornarmos tão atrativos quanto Galiza e a sua atratividade resulta da diversidade e expanção.

Não vamos continuar a adiar, a sonhar, a fazer o papel de coitadinho... nos temos poder para reclamar sem a protecção de alguem de fora do nosso país.

A união comercial , não depende de nada que não seja isso mesmo a prespectiva de rendimento.

Sou a favor de todas as uniões, agora não façam disso um casamento de papel passado, até porque as relações comerciais são efemeras.

A união sim, sem luta, são desnecessarias, vamos concentrar-nos na união ao norte , a todo norte, esse sim precisa de quem o represente e pode dar-nos um grande empurrão.

Gosto da galiza, conheço-a a palmos, gosto, mas não vejo porque tenho que estar a defender uma união fora, quando cá dentro ninguem se entende ... ai e ninguem me entende a mim tambem.

União comercial não precisa de papeis passados, nem lutas .

Vamos unir nos ao norte, cativar outra vez Viana ... vou responder na Baixa

Um abraço ate logo

 

Blogger David Afonso said ... (março 21, 2006 2:45 da tarde) : 

Amigo açoriano,

É natural que não perceba. Não se trata de uma disputa.

 

Blogger David Afonso said ... (março 21, 2006 2:47 da tarde) : 

Cristina,

Concordo plenamente. Contudo, parece que partimos de pressupostos diferentes, dado que a Cristina parece partir do princípio de que devemos competir contra a Galiza.

 

Anonymous Cristina Santos said ... (março 21, 2006 3:42 da tarde) : 

Pois, tem razão esta aí o erro.

Queria fazer valer as qualidades do Norte em comparação a Galicia e dizer que podiamos fazer mais e melhor, que Galicia só é exemplo daquilo que está ao nosso alcance e não se faz ... acabei, por transformar isto num discurso agressivo...

mas atenção que em termos de turismo, energia e agricultura podemos facilmente ultrapassar a Galicia -

por exemplo os espanhois gerem especies de matadouros no interior norte e vendem os porcos aos agricultores transmontanos já mortos e limpos por 125euros, ora esse preço não dá para comprar a ração em Portugal, mas em que condições são mortos e criados esses porcos?!
Mais ... que estão as ventoinhas eolicas a fazer colocadas a 50 metros da fronteira, no lugar onde o vento é mais proveitoso?
Porque é que os vianenses invadem Espanha ao fim de semana?
Ora grande parte do desenvolvimento do investimento da Junta da Galicia resulta dos clientes e condições portuguesas, que cá ninguem aproveita

Os jovens de Vieira do Minho e Montalegre vão para as universidades galegas, lá as medias são mais faceis de obter dizem eles... etc etc etc

Pronto ... isto não é um discurso agressivo, só que nós podiamos fazer muito melhor

 

Blogger David Afonso said ... (março 21, 2006 6:18 da tarde) : 

Podemos e faremos. Não temos outra alternativa.

 

post a comment