Dolo Eventual

David Afonso
[Porto]
Pedro Santos Cardoso
[Aveiro/Viseu]
José Raposo
[Lisboa]
Graça Bandola Cardoso
[Aveiro]


Se a realização de uma tempestade for por nós representada como consequência possí­vel dos nossos textos,
conformar-nos-emos com aquela realização.


odoloeventual@gmail.com


Para uma leitura facilitada, consulte o blogue Grandes Dramas Judiciários

Visite o nosso blogue metafísico: Sísifo e o trabalho sem esperança

O Dolo Eventual convida todos os seus leitores ao envio de fotografias de rotundas de todos os pontos do país, com referência, se possível, à sua localização (freguesia, concelho, distrito), autoria da foto e quaisquer dados adicionais para rotundas@gmail.com


Para uma leitura facilitada, consulte o blogue As Mais Belas Rotundas de Portugal


Powered by Blogger


Acompanhe diariamente o Dolo Eventual

quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Coisas que me irritam

Comments on "Coisas que me irritam"

 

Blogger Luís Bonifácio said ... (fevereiro 08, 2007 6:07 da tarde) : 

Não Para! Segue sempre sem parar.

Esta campanha deu para tudo desde crianças de infantário a levarem propaganda para casa, Organizações assistências a serem apodadas de "Terroristas", Tempos de antena remetidos para horas que ninguém vê, sendo substituídos por propaganda disfarçada de noticias e disfarçada de programa humorístico.

Com tanto disfarce é por ser mesmo Carnaval.

 

Blogger David Afonso said ... (fevereiro 08, 2007 6:42 da tarde) : 

Sim, Luís, este referendo está a revelar o pior que há em nós.

 

Blogger Pedro Morgado said ... (fevereiro 08, 2007 7:28 da tarde) : 

Não é nada de novo.
O "não" perdeu a cabeça e anda a enganar as pessoas.

Só há uma saída: votar SIM, dia 11.

 

Blogger Luís Bonifácio said ... (fevereiro 09, 2007 9:54 da manhã) : 

Caro Pedro

E o SIM perdeu (ou nunca teve) educação.

 

Blogger osso said ... (fevereiro 09, 2007 11:57 da manhã) : 

realmente ainda deveriam ser crianças mais tenrras de idade a distribuir (se pussível recém nascidos) para se ter consciência do que estamos a fazer ao votar SIM.

 

Blogger Pedro Santos Cardoso said ... (fevereiro 09, 2007 12:01 da tarde) : 

Mas como é que pode haver alguém que escreve «possível» com «u»?

 

Blogger Claudia Gonçalves said ... (fevereiro 09, 2007 1:02 da tarde) : 

pedrocas eu ia dizer o mesmo :)
e agora estou pronta para lançar a bomba!
Enquanto aqui o "não" USA descaradamente as criancinhas e os seus sorrisos e barrigas cheias que tanto pretendem proteger para servir os seus propósitos, noutros países o Aborto devia ser obrigatório para não termos tantos milhares de crianças que nascem com sentenças de morte, seja pela fome, sida ou outras enfermidades, ou pela própria vida que levam enquanto crianças.
Ou será que ao "nao" não interessa em que condições nascem, desde que venham?!
Já chamaram hipocrisia ao "não", será mais inércia, falta de "olhinhos de veri" mas principalmente aceitar e pactuar com o aborto clandestino e o que isso traz às mulheres. Só porque há quem diga que nunca o faria, não significa e não justifica a falta de compaixão pelo outro e o egoísmo perante as opções do próximo.

 

Blogger osso said ... (fevereiro 10, 2007 12:02 da manhã) : 

Pedro,

peço desculpa pelo lapso, não li o que tinha escrito e não me dei conta da troca das letras. provavelmente terá sido um erro de "dedos".

no que ao assunto diz respeito, o seu comentário é pura demagogia.

 

Blogger Pedro Santos Cardoso said ... (fevereiro 10, 2007 12:33 da manhã) : 

Caro osso, para que não me acuse de não falar relativamente ao sumo da questão:

1. Diz que se deve usar criancinhas de tenra idade «para se ter consciência do que estamos a fazer ao votar SIM.»

Caso o não vença, caso o sim vença, os abortos continuarão a fazer-se.

A única diferença é o local onde ele se realiza:

Se vencer o não, será em Espanha, na bruxa, na parteira de bairro com a 4ª classe, por aí com medicamentos que põem em risco a saúde da mãe, numa clínica à socapa, no vão da escada.

Se vencer o sim, será num hospital com assistência médica.

É só isto que está em jogo no referendo, e não «a defesa da vida».

2. Usar uma criança de tenra idade como objecto para propaganda política é realmente ter muita consciência do que se faz.

 

post a comment

Links to "Coisas que me irritam"

Criar uma hiperligação