Dolo Eventual

David Afonso
[Porto]
Pedro Santos Cardoso
[Aveiro/Viseu]
José Raposo
[Lisboa]
Graça Bandola Cardoso
[Aveiro]


Se a realização de uma tempestade for por nós representada como consequência possí­vel dos nossos textos,
conformar-nos-emos com aquela realização.


odoloeventual@gmail.com


Para uma leitura facilitada, consulte o blogue Grandes Dramas Judiciários

Visite o nosso blogue metafísico: Sísifo e o trabalho sem esperança

O Dolo Eventual convida todos os seus leitores ao envio de fotografias de rotundas de todos os pontos do país, com referência, se possível, à sua localização (freguesia, concelho, distrito), autoria da foto e quaisquer dados adicionais para rotundas@gmail.com


Para uma leitura facilitada, consulte o blogue As Mais Belas Rotundas de Portugal


Powered by Blogger


Acompanhe diariamente o Dolo Eventual

quinta-feira, julho 05, 2007

Um país com cancros decisórios

Comments on "Um país com cancros decisórios"

 

Anonymous colega do prof Artur said ... (julho 07, 2007 4:29 da manhã) : 

Foi injusto em relação aos colegas do Artur. Poderia ter-se informado melhor, teria sido fácil!
O que se passou, foi muito simples: nunca ninguém ligou nenhuma ao caso, apesar de muitas tentativas de chamar a atenção dos media - e claro que nunca ninguém da DREN ou da CGA quiz saber do caso - pois se estava tudo "de acordo com a lei"!!!
A vigília já estava marcada há muito tempo (pela Assembleia de Escola) para assinalar a passagem de 6 meses da morte do Artur. Por estes dias, um professor da escola teve a brilhante ideia de contar o caso por e-mail ao Marcelo Rebelo de Sousa: 1º milagre, ele falou disso; 2º milagre, toda a gente soube da história; 3º milagre, toda a gente está a falar disso. É o que interessa.

 

Anonymous colega do prof. Artur said ... (julho 08, 2007 7:46 da tarde) : 

Depois de ter feito um comentário para dar as informações que manifestamente faltavam, lamento não ter encontrado no blog nenhuma referência, rectificação, qualquer coisa... Falar mal dos outros é fácil. Difícil é reconhecer que se errou. Não é?

 

Blogger Claudia Gonçalves said ... (julho 08, 2007 11:33 da tarde) : 

Caro artur, não falei mal, expressei a minha opinião, se é que isso ainda é permitido, neste espaço ou noutro qualquer! A fobia do Sr. Sócrates parece estar a alastrar. Já agora que ficou tão indignado com a minha falta de informação, desejo saber mais: quem foi o brilhante professor que teve a brilhante ideia do mail para chegar às massas mal informadas e errantes como eu?
Curioso como no meio de um texto que alerta para a vergonhosa decisão que se tomou em relação aos seus dois colegas e ao seu sofrimento, se sinta tão atingido por 4 linhas.

 

Anonymous Colega do Prof. Artur said ... (julho 09, 2007 12:36 da tarde) : 

Não sei por que razão o post que coloquei ainda não apareceu. Outra tentativa:
Repito e reafirmo tudo o que disse em relação à leviandade com que afrrma que só agora os colegas do prof. Artur se manifestam. Serão apenas 4 linhas, serão; mas com um juizo de valor sobre comportamentos de psssoas que desconhece e sobre um processo que desconhece.
O prof. Miguel Soares era presidente do Cons. Executivo no início da doença do professor; hoje reformado, pode dar livre expressão ao que todos nós sentimos, bem antes da morte to nosso colega.
A vigília - repito, marcada MUITO ANTES da mediatização do caso - foi marcada pela Assembleia de EScola por ser a única hipóte de se poder, esperemos, evitar possíveis retaliações por parte dos de lá de cima...
Poderíamos ter ido para a rua? Ter feito greve? Talvez. Mas olhe, tivemos medo. Com tanta gente a dar na cabeça aos professores, quem nos apoiaria? Que jornal ou canal de TV falaria disso e em que termos?
Pode crer que solidariedade DURANTE A DOENÇA foi coisa que NUNCA faltou ao nosso colega. E em nome dessa solidariedade que a melhor forma de o homenagear é contribuir para que a tragédia dele possa alertar para outros casos de tratamento desumano para com outros, professores ou não.
Afirmar, como o fez, em 4 linhas, que os colegas do prof. Artur só agora manifestam solidariedade; apelidar isto de manifestação dum hábito sórdido... olhe, até está bem escrito, mas doeu. Muito. O Artur era meu colega. Meu amigo.

 

Anonymous Colega do prof. Artur said ... (julho 09, 2007 12:40 da tarde) : 

PS: Claro que não vou dizer-lhe o nome do "professor brilhante". Que quer, do modo como as coisas estão, não vá o diabo tecê-las... Os senhores lá de cima não gostam destas coisas. E como já referi, toda a gente gosta de nos dar na cabeça, não é?

 

Blogger Claudia Gonçalves said ... (julho 09, 2007 3:47 da tarde) : 

O texto que escrevi também só pretendia alertar para o que aconteceu e agradeço os seus esclarecimentos.
Entendo que as coisas mais importantes e revoltantes que acontecem neste país não cheguem ás cupulas dos media e do governo, porque toda a informação é filtrada e o que aparece nos jornais e televisão é manipulado, só tendo mediatismo o que determinados senhores querem. É esta a minha opinião. Só nos dão "conhecimento" do que querem, somos todos conduzidos numa determinada direcção, que se desengane quem pensa que vive tempos de liberdade.

 

post a comment

Links to "Um país com cancros decisórios"

Criar uma hiperligação